segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O Conhecimento como compreensão do mundo e como fundamentação da ação.

O conhecimento como compreensão do mundo e como fundamentação da ação.
José Rogério de Pinho Andrade

1 - O conhecimento como mecanismo de compreensão e transformação do mundo:

  • Vivemos no mundo e com o mundo;
  • O mundo como um dado cultural;
  • A reflexão e compreensão;
  • Conhecimento como libertação do homem em relação à natureza; Conhecimento como teoria e prática (fazer tecnológico);
  • Conhecimento é social e histórico.
 2 - O conhecimento como uma necessidade para a ação:

  • O conhecimento é uma necessidade;
  • Conhecimento como uma iluminação da realidade;
  • O conhecimento necessário é o conhecimento verdadeiro;
 3 - O conhecimento como elemento de libertação:

  • Como compreensão da realidade, o conhecimento tanto pode libertar como pode oprimir;
  • O conhecimento liberta quando promove a autonomia e independência;
  • Pode ser libertador de indivíduos e de grupos humanos e nações;
  • O conhecimento também pode oprimir.
 Algumas conclusões do autor:

“O conhecimento. em primeiro lugar e antes que tudo, é uma forma teórico-prática de compreensão do mundo.” (p. 59)
"É impossível fazer da universidade um centro de produção de conhecimento, caso não se assuma o significado fundamental do ato de conhecer e seus mecanismos epistemológicos." (p. 59)

Conhecimento filosófico e científico.

1 - O conhecimento do aparente e do oculto.

  • O conhecimento não pode delimitar-se a uma abordagem focalista e reducionista;
  • As situações existem em interrelações com outras;
  • O conhecimento do aparente é aquele que se apresenta reducionista e focalista;
  • O conhecimento o oculto é aquele que vai em busca das relações, tendo seu fundamento na categoria da totalidade;
  • O conhecimento focalista é também conhecido como senso comum, ingênuo; possui as seguintes características: direto e imediato, não revisto e superficial.
  • O conhecimento que busca o oculto é denominado de crítico e tem as seguintes características: metódico, não é reducionista, fundamenta uma ação consciente.
  • Aparência e essência não coincidem.
 2 - O conhecimento filosófico.

  • Tem por finalidade estabelecer uma forma de compreensão e transformação da realidade;
  • "A filosofia é uma concepção geral do mundo da qual decorre uma forma de agir." (p. 66)
  • Por meio da filosofia o homem toma consciência de si, do sentido da sua história, do significado do projeto do futuro;
  • O objeto de reflexão da filosofia são os princípios norteadores de nossas ações;
  • A filosofia é uma reflexão crítica que julga os valores vigentes, propondo outros;
  • A ausência do exercício da filosofia leva à tomarmos o aparente pelo essencial.
 3 - O conhecimento científico.

  • "Tem por objetivo estudar e esclarecer as ocorrências do universo enquanto acontecimentos factuais." (p. 70)
  • Ocupa-se dos fenômenos da natureza, dos objetos ideais e dos fenômenos culturais;
  • Os resultados do conhecimento cientifico tendem a ser descritivos (explicativos, ou implicativos, ou compreensivos) enquanto o da filosofia tende a ser normativo (dever­ ser);
  • "O conhecimento científico pretende esclarecer as ocorrências factuais do universo, produzindo um entendimento de parcelas do 'mundo', descrevendo-as e criando as conexões lógicas e compreensíveis entre os seus componentes." (p. 71)
  • Caminho metodológico da ciência: 
    1. A sensibilidade para perceber os fenômenos e perguntar sobre eles:
    2. Tentar hipóteses de entendimento;
    3. Julgar a validação ou não de nossa suposição;
    4. Busca e obtenção de uma constante de resultados;
    5. Tentar generalizar a nossa interpretação do mundo circundante analisado.
Fonte:
LUCKESI, Cipriano Carlos & outros. Fazer Universidade: uma proposta metodológica. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2005. 

Rogério Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário