quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Incentivo ímpar.

Com este título li uma reportagem em uma revista especializada em informática denominada "A Rede" que tratava do incentivo do Governo Federal para que os professores de escolas privadas e públicas possam comprar notebook a preços reduzidos e com financiamento em até dois anos. O projeto é denominado de "Computador portátil para professores" e o preço sugerido dos mesmos será de até R$ 1.000, 00.
Até aí tudo bem, parecia ser uma grande notícia. A decepção veio quando li a configuração sugerida para o notebook: sistema operacional linux, memória RAM de 512 Mb, disco rígido de 40 Gb, modem de 56 kbps e mais 27 aplicativos educacionais instalados.
Qual a razão da decepção? Muito simples: um computador portátil com esta configuração já encontra-se no mercado por um preço igual ou menor ao que o Governo propõe aos professores. Além do mais, com esta configuração em menos de meses este notebook já estará defasado para o avanço da informática.
Tal atitude do Governo somente demonstra que a preocupação com a educação é de desvalorização da mesma. Penso ser uma falta de respeito ao professor tal sugestão, pois pressupõe que a condição de renda dos mesmos é tão baixa (talvez não seja um presuposto, mas uma constatação e se assim for, eis a nnecessidade de um maior apoio aos professores!) que eles não podem se equiparar em equipamentos ao que há de mais moderno e atual no mundo da informática.
Mas não é o fim do mundo, talvez um pequeníssimo começo.
Rogério Andrade

Só para constar.

Saudades, não da minha terra e nem da minha gente. Saudades de meu filho e de Minha Rainha que estão em nosso castelo. Eu? Estou no trabalho (que coisa chata é trabalhar! Ainda bem que gosto do meu trabalho!).
Quisera eu estar agora com Minha Rainha e meu Príncipe, mas estarei em breve e matarei a saudade que sinto deles no momento.
Rogério Andrade